fbpx
  • Somos mais racionais quando pensamos em outros idiomas

    Salvatore Vuono / FreeDigitalPhotos.net

    Ao apresentar o estudo The Foreign-Language Effect, o pesquisador Boaz Keysar, da Universidade de Chicago, fez a seguinte pergunta: Would you make the same decisions in a foreign language as you would in your native tongue? A maior parte das pessoas responderia, intuitivamente, que sim, que tomariam as mesmas decisões, mas será que é mesmo assim?

    Embora as idéias de que faríamos as mesmas escolhas ou de que seríamos menos sistemáticos quando abordamos questões em uma língua estrangeira sejam plausíveis, Boaz Keysar e a sua equipe descobriram que o uso de uma língua estrangeira leva a que o indivíduo seja mais imparcial, sendo, por isso, mais sistemático, analítico e racional. Estas conclusões foram retiradas dos resultados de quatro experiências, realizadas com mais de 300 voluntários dos Estados Unidos e da Coreia, nas quais os pesquisadores testaram a hipótese de maior distanciamento emocional e cognitivo quando os assuntos são abordados em um idioma estrangeiro.

    De acordo com o que foi relatado pelos autores do estudo, no Psychological Science, nós somos mais racionais quando pensamos e comunicamos em um idioma que não o nosso, pois somos capazes de pesar todos os aspectos de uma questão de forma mais analítica. Isso leva a crer que, quando pensamos em outra língua, conseguimos controlar as emoções e ser mais racionais na hora de tomar decisões. Isto sugere que, na verdade, há uma grande possibilidade de as nossas escolhas serem diferentes quando somos questionados e temos de responder em um idioma estrangeiro.

    Segundo Boaz Keysar, essa facilidade para colocar as emoções de lado só acontece quando os assuntos em causa não estão diretamente ligados às emoções. Portanto, pensar em uma segunda língua poderá ajudar a ter uma abordagem mais racional quando é necessário tomar decisões que envolvem questões financeiras, mas não será de grande ajuda se o assunto estiver relacionado com questões afetivas.