fbpx
  • Quem disse que burro velho não aprende línguas?

    Image courtesy of Juan Gnecco / FreeDigitalPhotos.net

    Há um ditado popular que diz que burro velho não aprende línguas, dando a entender que, a partir de uma certa idade, deixamos de conseguir assimilar novos conhecimentos. Contudo, é possível notar que cada vez mais surgem cursos voltados para aqueles que se encontram na terceira idade. Possivelmente porque estímulos mentais contínuos permitem uma menor degradação das funções cognitivas, mas também porque, hoje em dia, entrar na terceira idade não é o fim do mundo. Aliás, para muitos, é o início da fase da vida na qual, finalmente, irão viajar e conhecer o mundo.

    Um estudo publicado na Neurology® revela que idosos que tenham um bom nível de instrução, que se exercitem uma vez por semana e não fumem têm mais probabilidade de manter a saúde das suas funções cognitivas. Tal como manter o corpo em atividade permite que este e o cérebro beneficiem, manter a mente trabalhando também é necessário para garantir uma maior qualidade de vida. Daí que cada vez mais idosos procurem atividades que estimulem o cérebro, como é o caso de cursos de idiomas.

    Se prestarmos atenção às publicidades de cursinhos de Inglês tradicionais, podemos verificar que muitos são os que já abrem turmas para a galera nessa faixa etária. Essa é uma tentativa válida de fazer com que mais pessoas se interessem por aprender uma língua estrangeira, sem se sentirem desconfortáveis com os olhares curiosos dos mais novos. No entanto, em uma era na qual os idosos aprendem a navegar na internet tão facilmente como as crianças, um bom número de pessoas prefere aulas online. Dessa forma, não precisam se adequar ao ritmo de uma turma, mesmo que essa turma seja de pessoas de idades semelhantes à sua.

    Por isso, ter aulas online pode ser bastante benéfico para aqueles que estão na melhor idade, pelo fato de as aulas serem preparadas de acordo com o objetivo de cada aluno, o que permite que a pessoa foque nos pontos que acredita serem mais importantes para o que pretende fazer, como viajar, por exemplo.