fbpx
  • Estrangeirismos e influência

    artur84 / FreeDigitalPhotos.net

    Embora seja parte da nossa cultura dublar filmes e séries em Inglês, somos muito dados aos estrangeirismos, que são aquelas palavras em Inglês, que são de uso tão corriqueiro, que acabam sendo adotadas por nós. Alguns exemplos são dizer que determinado local é o point ou spot de encontro da galera, comentar que o look de alguém é fashion ou simplesmente dizer ok como forma de concordar com algo.

    Estes estrangeirismos são muito comuns e, de certa forma, ajudam a que mais pessoas tenham contato com o Inglês. Contudo, é preciso que estejamos conscientes de que, especialmente, em ambientes profissionais, a utilização de tais expressões pode ser prejudicial.

    Porém, se por um lado é sensato evitar estrangeirismos, por outro somos obrigados a usá-los, porque estes se estabeleceram como a forma mais usual (e por isso mais compreensível) de dizer alguma coisa. Algumas palavras como site, mouse, online, offline, e-mail, designer, blog e delivery são exemplos disso.

    Vale lembrar que existem ainda palavras que começaram como meras adoções literais, como os exemplos acima, mas que ganharam grafia própria quando passaram a figurar nos nossos dicionários, como é o caso de stress que se transformou em estresse e deu origem às variações estressar, estressanteestressado.

    Também existem siglas, que muitas pessoas nem sequer sabem o que querem dizer, porque são derivadas do nome da coisa em Inglês, tornando mais complexo o seu entendimento em Português. Quando me mudei para Portugal levei um choque cultural tremendo no que diz respeito a isso, porque enquanto no Brasil a gente diz AIDS (Acquired Immunodeficiency Syndrome), DNA (Deoxyribonucleic Acid) e HIV (Human Immunodeficiency Virus), lá as pessoas dizem SIDA (Síndrome da Imunodficiência Adquirida), ADN (Ácido Desoxirribonucleico) e VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana). Contudo, as nossas placas de sinalização dizem PARE, mas em Portugal dizem STOP.

    Para mim foi engraçado ver essa diferença entre dois países de lingua portuguesa, mas acho ainda mais interessante ver como algumas palavras em Inglês se infiltram no nosso idioma, seja com sotaque português ou brasileiro, fazendo com que tenhamos que nos habituar a elas.

    A verdade é que a língua é um organismo vivo, que tem que adaptar para acompanhar o desenvolvimento social, cultural e tecnológico dos seus falantes. Por isso acaba sendo inevitável o uso dos estrangeirismos, mesmo que os países lusófonos muitas vezes impulsionem a evolução de formas diferentes – o que aumenta ainda mais a distência linguística entre eles -, tal como acontece no caso das siglas ou como acontece com a palavra stress (grafia em Inglês), que no Brasil se escreve “estresse” e em Portugal “stresse“.